Vídeo que mostra higiene nasal infantil com muito soro impressiona. Afinal, é seguro?
Nariz

Vídeo que mostra higiene nasal infantil com muito soro impressiona. Afinal, é seguro?

Crianças sofrem com alergias, rinite e infecções nas vias aéreas com mais frequência que os adultos – e fazer a higienização adequada é um dos cuidados para curar esses problemas. Mas como essa limpeza deve ser feita? Em um vídeo que recentemente viralizou nas redes sociais, uma mãe aparece lavando o nariz de uma menina com uma grande quantidade de soro fisiológico.

As imagens impressionam em função do volume de soro e pela quantidade de secreção igualmente grande que sai do nariz. Conversamos com médicos para entender se o procedimento é eficaz e inofensivo ou se não deve ser realizado.

Lavar nariz com soro fisiológico faz bem?
O otorrinolaringologista Jamal Azzam, da Clínica Jamal, explica que lavar as narinas com soro fisiológico é benéfico para todas as idades pois desobstrui a mucosa nasal, a mantém úmida, limpa impurezas e ainda auxilia no tratamento de rinite alérgica, sinusite, alergias comuns em crianças e outros acometimentos.

“Toda forma de introdução de soro fisiológico no nariz ajuda muito para desentupir e eliminar secreções que ficam entre o nariz e a garganta”, ressalta o especialista.

Como fazer
O otorrinolaringologista Ricardo Landini Lutaif Dolci, sócio da Clínica Dolci e membro titular da Associação Brasileira de Otorrinolaringologista e Cirurgia Cervico-Facial, também defende o método, mas afirma que é necessário estar atento à dosagem do soro usado. “Recomendo realizar a lavagem com soro fisiológico a 0,9%, já que existem algumas soluções mais concentradas, por exemplo, a 3%, que podem lesionar a mucosa e proporcionar um efeito contrário ao desejado”, ressalta.

Outra dica é evitar seguir a técnica usando água, pois ela pode irritar o tecido das narinas. Crianças maiores de dois anos ainda podem usar sprays de jato contínuo de soro fisiológico, que são encontrados em farmácias.

Aplicar muito soro fisiológico é seguro e eficaz?
No vídeo, a quantidade aplicada no nariz da menina impressiona e divide opiniões. A pediatra Mariane Cordeiro Alves Franco, presidente do Departamento Científico de Pediatria Ambulatorial da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), defende que a quantidade de soro é excessiva. “O excesso pode provocar engasgo em crianças bem pequenas por imaturidade das vias respiratórias superiores e levar soro para o ouvido”, alerta.

Já o otorrinolaringologista Jamal ressalta que a grande quantidade de líquido é segura e não gera riscos porque a criança elimina o líquido tossindo se houver engasgo.

Por fim, o especialista Ricardo Landini também afirma que quanto mais lavar, melhor. “Não é prejudicial o soro em abundância, visto que um simples gesto pode evitar com que a criança engasgue, que é falar “Ahhhhh” durante o procedimento. Assim, o palato mole fecha o caminho entre o nariz e a boca e impede o soro de migrar para a região inferior da faringe, fazendo-o sair pela outra cavidade nasal”.

O especialista ainda explica que mesmo assim um pouco de líquido pode ir para a região da boca e nesses casos o indicado é nunca engolir, mas cuspir.

Como há divergência de opiniões, indica-se buscar orientações com o pediatra ou otorrinolaringologista da criança.

Como fazer lavagem com soro fisiológico
Vídeo que mostra higiene nasal infantil com muito soro impressiona. Afinal, é seguro?

A posição sentada diminui as chances de o líquido refluir para o ouvido da criança e, por isso, é a mais indicada.

Já as etapas da técnica do soro fisiológico no nariz são simples:

• Inspire profundamente e segure a respiração;
• Injete o jato de soro fisiológico e, ao mesmo tempo, diga “Ahh”. Não respire para evitar o sufocamento. Deste modo, o soro sairá pela outra narina e pela boca;
• Assoe o nariz e cuspa para limpar a secreção excretada.

Vix

Sobre o autor

Dr. Jamal Azzam

Dr. Jamal Azzam

Jamal Sobhi Azzam é médico formado pela Faculdade de Medicina da USP em 1986 e especialista em Otorrinolaringologia pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

Deixar um comentário

Clique aqui para deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.