Amígdalas e adenoide

Amigdalite aguda infecciosa

Amigdalite aguda infecciosa

As amígdalas são dois pequenos órgãos que ficam no fundo da garganta, nas laterais. Originalmente são órgãos de proteção, com a indução para a produção de anticorpos para defender o corpo contra vírus e bactérias que acometem o sistema respiratório. Mas, muitas vezes pode ocorrer uma inflamação nestes órgãos e isto pode ser muito grave.

Lembramos um fato histórico importante: o primeiro Presidente dos Estados Unidos, George Washington, morreu de amigdalite aguda! Obviamente naquele tempo não haviam tratamentos eficientes, pois nem o antibiótico existia.

A amigdalite aguda é uma inflamação e/ou infecção destes órgãos. Pode ser decorrente de vírus ou bactérias e gerar muita dor e pus na garganta. Não podemos confundir com a faringite, que é a inflamação da faringe, que fica atrás das amígdalas, sendo a parede posterior da garganta.

As amigdalites são mais comuns em crianças, mas podem acometer adultos de quaisquer idades. Nos adultos, geralmente as amigdalites acompanham um quadro geral de diminuição da imunidade, sendo que isto ocorre na grande maioria das vezes por stress intenso e prolongado. Os sintomas da amigdalite aguda são:

• dor de garganta, que pode ser intensa
• febre
• mal estar intenso, com sensação de “quebradeira”
• mau hálito
• dificuldade para engolir alimentos e em muitos casos até água
• pode ocorrer dores nos ouvidos
• dor de cabeça
• em casos mais graves pode ocorrer dificuldade para abrir a boca
• gânglios no pescoço

Alguns pacientes podem precisar de antibióticos e anti-inflamatórios para melhora da infecção. Em ocasiões especiais pode ser necessária uma internação para medicação na veia. O mais importante é a busca de um exame médico imediato aos primeiros sintomas, pois a abreviação do curso da doença pode ser muito mais eficiente.

Categorias

Sobre o autor

Dr. Jamal Azzam

Dr. Jamal Azzam

Jamal Sobhi Azzam é médico formado pela Faculdade de Medicina da USP em 1986 e especialista em Otorrinolaringologia pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

Deixar um comentário

Clique aqui para deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.